Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo/ Archive

2014

2013




Pesquisar/ Search

 



Querida Mãe

Sexta-feira, 25.04.14

A minha mãe faria hoje, dia da Liberdade, 78 anos. É difícil imaginá-la com essa idade, e se calhar faz sentido que assim seja - ela nunca quis que a víssemos senão jovem. Não é uma crítica, é um facto. Era uma mulher que nunca passava despercebida, mais que tudo porque era mesmo diferente das demais...as outras mães que me perdoem (e eu incluo-me nelas), mas quando Deus a fez, partiu o molde. É uma força de expressão, claro (Deus faz-nos a todos dessa maneira) e não quero com isto dizer que era uma mulher perfeita, mas não escolheria nenhuma outra para me carregar nos braços. E de alguma maneira, mesmo nas falhas, tinha qualquer coisa de comovente...não sei explicar. Tinha um feitio que oscilava entre o sanguíneo e o melancólico, o que fazia dela muitas vezes uma pessoa imprevisível. Para uma criança, isto nem sempre é bem vindo...mas hoje sou adulta, e já consigo entender bem melhor o que a movia. Uma das coisas que me lembro dela é que não odiava ninguém. Ficava muitas vezes profundamente magoada, mas não lhe vislumbrei um pingo de ódio em relação a esta ou aquela pessoa - e olhem que houve muitos que lhe fizeram mal, normalmente os que lhe estavam mais próximos. Não, não era perfeita. Ainda assim, daria metade de mim para que ela não tivesse ido tão cedo. Na altura, foi um golpe maior do que achei que conseguiria suportar. Hoje, é um golpe maior do que consigo suportar. Mas suporto. Afinal, a voz dela está muitas vezes nos meus sonhos, e ainda hoje, quando digo a palavra Mamã, vem-me à memória a mistura de cheiros que sempre lhe senti na pele. Foi-se a pessoa inteira, mas Deus deixou-me guardar uns pedaços no coração...

 

O livro Mãe Há Só Uma, compilado pela Diamantina Rodrigues em 2013 e editado pela Verso de Kapa, reuniu uma série de testemunhos de fuguras públicas acerca da sua mãe. Transcrevo hoje uma parte do texto que escrevi:

 

«Há 44 anos  que trago comigo a imagem de outra mulher, e a comparação nunca me favoreceu. A Mamã era mais, era mais que qualquer outra, e tinha palavras que enchiam o coração das pessoas. E era mesmo do seu coração que provinham as saídas da vida para nós, os filhos, para a família, os amigos, para todos os que na sua presença pareciam menos brilhantes, mais previsíveis...foi do seu coração que me amamentou, e gostávamos as duas tanto desse nosso ninho que o abraço durou 5 anos. Que aberração, pensam alguns...que bênção, digo eu.

São também 5 os filhos que deu ao Mundo, que o 6º ficou por nascer. E sabendo disso, cresce a minha admiração por si, não porque as melhores mães têm muitos filhos, mas porque cada filho que nos nasce leva um pouquinho de nós com ele– sabia que no cérebro do bebé se escondem células da própria mãe? - coisas que nunca nos serão devolvidas, e esses pedaços com que lhe ficámos, a Mamã nunca lhes sentiu a falta. Antes parecia ficar mais de si depois de cada parto – e que difíceis que foram todos, até ao último!

Não falámos muito as duas, mas sei que teve sonhos que nunca cumpriu. Sei que quase sempre fez o que outros queriam que fizesse, e que no dia em que decidiu que tudo ia ser diferente, muitos pensaram mal de si. Eu, por exemplo. Perdoe-me, mãe. Por favor compreenda que tudo o que um filho pequeno quer é que a mãe fique sempre igual, que nunca mude, que nunca se mostre independente ou completamente autónoma, e muito menos que pense em sair, em desaparecer, em fechar  a porta atrás de si e nunca mais pensar em nós. Por favor compreenda que eu não compreendia.»

 

Não compreendia, de facto...e acho que, de certa maneira, nem ela compreendia. Agora percebo à distância que as mães se sentem muitasvezes divididas em porções ínfimas e indistintas, que os seus corações sentem coisas que não podem exprimir, e que essa não-expressão é ao mesmo tempo coisa certa e coisa errada...acima de tudo, gostava de poder dizer-lhe isto a ela, e não a vocês...

 

Maria Helena era o seu nome, e um dos cantores de que sempre gostou foi Nat King Cole...por isso, fiz esta colagem de fotos que representam quase 54 anos de vida. Feliz Aniversário, mãe!

 

 

 

 

 

Today is Freedom Day, and my Mother would be turning 78. It's hard to imagine her at that age , and maybe it makes sense that it is so - she never really wanted to be anything but young. It's not criticism, it's a fact .

She was a woman who never went unnoticed , most of all because she was so different from all  the others ... myself included. When God made ​​her, He broke the mold. It's a figure of speech, of course ( God allways breaks the mold) and I don't mean to say that she was perfect, but I wouldn't choose any other to hold me in her arms. And somehow, even when she failed us or anyone else, there was something moving about her... I can't explain. Her nature was somewhat impetuous and melancholic, which made her a very unpredictable person. For a child, this isn't always easy... but now I'm older , and I can understand her better. One of the things I remember most about her is that she didn't hate anyone. She was often deeply hurt but others, and many times they were the ones that were closer to her, but there wasn't an ounce of hatred towards this or that person. But she sure wasn't perfect. Still, I'd give half of me so that she wouldn't have left so soon...at the time , it was a bigger blow than I thought I could bear. Today , it is a bigger blow than I think I can bear. But I bear it. After all , her voice is often in my dreams, and still , when I say the word Mom , the mixture of scents that made her skin always comes to mind. Gone is the whole person, but God left me with some bits of her in my heart ...
 
The book We Have Only One Mother, compiled by Diamantina Rodrigues in 2013 and edited by Verso da Kapa, convened a series of testymonies of celebrities and their mothers. Here's part of the text I wrote :
 
"For 44 years I've borne the image of another woman, and the comparison has never favored me. Mom was more, much more than any other, and she always had words that filled people's hearts. It was from your heart, Mother, that everything you did has flowed, and it was from it also that we have all proceeded...In your presence everyone seemed less bright, more predictable. It was also from your heart that you nursed me , and we both liked our nest so much that our hug went on for five full years. An aberration, some think...a blessing, I say.


Five babies came into the world through you. Knowing this my admiration grows, not because the best mothers have with many children, but because every time a child is made, the mother gives up a little bit of herself - did you know that the baby's brain holds a portion of his mother's own cells ? - These pieces we lose forever, but you never seemed to be missing them, and there always seemed to be more of you to give away after each one of us was born - and how difficult were those births, until the very last one!


We didn't talk much about these things, but I do know you had  dreams that were never fulfilled. Mostly, you did what was expected of you  and when the day came that you decided it wasn't going to be like this anymore, many people judged you. I was one of them. Please forgive me, Mother. Please understand that all a child wants is for their mother to never change, to never show complete independence and autonomy, let alone to think of turning around, closing the door, and leaving us behind. Please understand that I did not understand.»


It's true, I didn't. In fact...I think that in some way neither did she. At a distance now, I realize that realize that mothers often feel like they're being split into so many different directions, in tiny little indistinct portions, and their hearts are filled with things they can't express, and that that silence is both wrong and right...above all, I wish I could be telling her this, and not you.
 
Maria Helena was her name , and Nat King Cole was one of her favorite singers... so I made ​​this little photo collage that represents nearly 54 years of life. Happy Birthday , Mom!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentários recentes/ Recent comments






subscrever feeds